1

Para Refletir...

"A caridade o processo de somar alegrias, diminuir males, multiplicar esperanas e dividir a felicidade para que a Terra se realize na condio do esperado Reino de Deus." - Emmanuel

 
Erro
  • XML Parsing Error at 1:102. Error 9: Invalid character

PDFImprimirE-mail
Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 

O Conselho Federativo Nacional da FEB foi criado quando na assinatura do Pacto ureo, em 5 de outubro de 1949, pelos representantes das seguintes instituies: Federao Esprita Brasileira, Liga Esprita do Brasil, Federao Esprita do Rio Grande do Sul, Federao Esprita Catarinense, Federao Esprita do Paran, Unio das Sociedades Espritas do Estado de S. Paulo e Unio Esprita Mineira.

O Conselho Federativo Nacional da FEB foi criado com o objetivo de promover e trabalhar pela unio dos espritas e pela unificao do Movimento Esprita, para que as atividades de estudo, difuso e prtica da Doutrina Esprita sejam fortalecidas e realizadas no seu devido tempo.

Instalado em janeiro de 1950 e integrado pelas Federaes e Unies representativas dos Movimentos Espritas estaduais e do Distrito Federal, o Conselho Federativo Nacional substituiu o antigo Conselho Federativo da FEB, que federava diretamente os Centros Espritas de todo o Pas.

Atualmente o CFN composto pelas Entidades Federativas espritas de todos os Estados do Brasil e do Distrito Federal (27), bem como de um quadro de Entidades Especializadas de mbito Nacional.

Durante a dcada de 1950 houve um trabalho de esclarecimento junto s entidades espritas sobre a importncia e a diretrizes da tarefa de organizao e unificao do Movimento Esprita brasileiro, realizado, principalmente, pela Caravana da Fraternidade.

Na dcada de 1960 foram realizados os Simpsios Regionais de grande importncia para o trabalho de unificao do Movimento Esprita: Centro-Sulino, em Curitiba (1962), Nordeste, em Salvador (1963); Norte, em Belm (1964); Centro-Oeste-Territrios em Cuiab (1965); encerrando o ciclo com o Simpsio Nacional, no Rio de Janeiro (1966).

No incio da dcada de 1970 foram criados os Conselhos Zonais do CFN (Norte, Nordeste, Centro e Sul) que estudavam assuntos de interesses do Movimento Esprita e que eram concludos nas Reunies Plenrias.

Em 1975, por proposta da representao de So Paulo, o CFN, atravs dos seus Conselhos Zonais, iniciou estudos mais aprofundados sobre o Centro Esprita, concludos com a aprovao do documento A Adequao do Centro Esprita para o melhor atendimento de suas finalidades, em novembro de 1977, que destaca como entender e o que cabe ao Centro Esprita fazer.

Por proposta da representao do Estado do Rio de Janeiro, o CFN continuou estudando o Centro Esprita no perodo de1977 a 1980, quando concluiu o documento Orientao ao Centro Esprita, que oferece uma srie de sugestes prticas para as suas atividades bsicas.

No perodo de 1980 a 1983 o CFN, atravs do seus Conselhos Zonais, estudou e elaborou um documento que trata da importncia, das tarefas e das diretrizes do trabalho de unificao do Movimento Esprita, aprovado em novembro de 1983 com o ttulo Diretrizes da Dinamizao das Atividades Espritas.

Em 1984 o CFN aprovou o Manual de Administrao das Instituies Espritas, que, por delegao, vem sendo atualizado e editado pela USEERJ, do Estado do Rio de Janeiro.

Em 1985, os Conselhos Zonais foram transformados em Comisses Regionais, proporcionando aos membros do CFN, em suas respectivas regies, a oportunidade de trocar informaes e experincias, bem como de unirem-se na realizao de trabalhos que visem colocar em prtica as diretrizes anteriormente aprovadas nos documentos j citados.

Atravs do CFN foram lanadas as seguintes campanhas: Campanha de Evangelizao Esprita da Infncia e da Juventude, em 1977; Campanha do Estudo Sistematizado da Doutrina Esprita, em 1983; Campanhas Em Defesa da Vida e Viver em Famlia, em 1994; e Campanha de Divulgao do Espiritismo, em 1996.

As Entidades Federativas Estaduais que integram o CFN congregam os Centros e Sociedades Espritas sediados em seus respectivos territrios. Em alguns Estados, as suas Entidades Federativas possuem rgos locais e regionais para facilitar a dinmica do seu trabalho.

O CFN rene-se ordinariamente uma vez por ano, durante trs dias, para tratar de assuntos de interesse do Movimento Esprita, que visam promover, realizar e aprimorar o estudo, a difuso e a prtica da Doutrina Esprita.

As bases doutrinrias e as diretrizes gerais do trabalho de unificao do Movimento Esprita realizado pelo CFN/FEB so as que constam dos documentos que compem o opsculo Orientao ao Centro Esprita e dos textos que integram a Campanha de Divulgao do Espiritismo.

Todas as Entidades que, direta ou indiretamente, integram o CFN (Entidades Federativas Estaduais, Entidades Especializadas de mbito Nacional, Centros e demais Sociedades Espritas) mantm a sua autonomia, independncia e liberdade de ao. Os vnculos com o CFN tem por fundamento a solidariedade e a unio fraterna, livre, responsvel e conscientemente praticadas luz da Doutrina Esprita, com vistas sua difuso.

As Entidades que compem o CFN aceitam a integrao e a participao em seus trabalhos de todas as Instituies Espritas que tenham por objetivo o estudo, a difuso e a prtica da Doutrina Esprita com base nas obras de Allan Kardec. A tarefa principal do trabalho de unificao consiste em colaborar com essas Instituies para que possam mais facilmente alcanar os seus objetivos, aprimorando as suas atividades e mantendo as suas realizaes dentro dos princpios doutrinrios.

Todas as Instituies Espritas, sediadas no territrio nacional, que desenvolvem suas atividades dentro dos princpios bsicos da Doutrina Esprita contidos nas obras da Codificao Kardequiana esto, naturalmente, aptas a participar do esforo de unificao do Movimento Esprita, em trabalho de apoio recproco e solidrio, para uma mais eficiente difuso doutrinria.

Artigos Relacionados:
A misso do brasil como ptria do evangelho. -VIII (5931 Acessos)
CONSIDERAES FINAIS. Diante do exposto, a que concluso chegamos? Somos o Corao do Mundo, Ptria do Evangelho? Ou no somos? ...
A misso do brasil como ptria do evangelho. - VII (5066 Acessos)
FEDERAO ESPIRITA BRASILEIRA O Brasil j contava com vrias sociedades espritas prestigiosas, mas contrariando as instrues do plano...
A misso do brasil como ptria do evangelho. - VI (3734 Acessos)
O SCULO XIX. O sculo XIX, entre outros acontecimentos, nos trouxe o Consolador prometido por Jesus. Faamos aqui um parntese, a fim de...
A misso do brasil como ptria do evangelho. - V (3750 Acessos)
O MOVIMENTO ABOLICIONISTA Em todas as outras naes do continente americano, a escravido j havia sido abolida. S ns os brasileiros...
A misso do brasil como ptria do evangelho. - IV (3207 Acessos)
INCONFIDNCIA MINEIRA Estamos no reinado de D. Maria I, a Piedosa, a qual, escravizada ao seu fanatismo religioso e s opinies dos seus...


Adicione este artigo nas suas redes sociais!
 

Seja Bem Vindo!