1

Para Refletir...

"A calma na luta sempre um sinal de fora e de confiana, a violncia, ao contrrio, uma prova de fraqueza e dvida de si mesmo." - Evangelho Segundo o Espiritismo

 
Erro
  • XML Parsing Error at 1:102. Error 9: Invalid character
Avaliação do Usuário: / 16
PiorMelhor 

(Perguntas encaminhadas por uma amiga evanglica)

Gostaria de saber como morreu Allan Kardec? Fiquei sabendo que ele se suicidou, e no morreu por aneurisma como voces dizem. Me informe disso, mas me d referencias bibliogrficas.
O neto de Allan Kardec esteve na minha cidade falando sobre o espiritismo. Ele um pastor e se converteu a muitos anos. Porque espritas viram evanglicos e evanglicos no viram espritas? Porque os espritas ajudam as pessoas carentes se as mesmas pagam "carmas"? No seria melhor deix-las pagando seus pecados. Se seu Deus permitiu assim...

Cara Amiga,

H uma obra extraordinria de Zeus Wantuil e de Francisco Thiesen sobre Allan Kardec - com o nome dele como ttulo - e nela se estudam no s sua biografia como as informaes existentes sobre ela. Lendo esta obra voc poder constatar que a causa da morte foi um aneurisma.

Deve-se notar tambm que Allan Kardec era uma pessoa eminente em sua poca, no s seu trabalho pedaggico tinha lhe granjeado grande renome como educador - em seu nome prprio de Hippolyte Lon Denizard Rivail - como a Codificao Esprita teve grande repercusso. Eram amigos de Kardec personalidades de renome na sociedade francesa e dificilmente um suicidio passaria despercebido e no geraria um grande escndalo na imprensa contrria as teses espritas. Assim a estria do suicdio realmente no tem o menor fundamento.

Quanto ao "neto" de Kardec o que posso dizer-lhe que - por todos os dados biogrficos existentes - ele no teve filhos, e portanto nem netos! H notcias no livro de Wantuil de um certo "Marcel Kardec" que pelos anos trinta do sculo passado se dizia neto de Kardec (seu nome verdadeiro era Louis Henri Ferdinand Dulier), no sei se o mesmo que voc cita ...

A palavra Karma - no lugar da qual normalmente os espritas preferem usar "lei de ao e reao" - tem sua origem na ndia Vdica e significa "Ao". Nas filosofias da ndia, principalmente no Vedanta e no Budismo, ela traz a idia de que existe uma ordenao moral no Universo. Todos os nossos atos tem efeitos e recebemos a reao destes efeitos. Se praticamos o bem temos o bem como retorno, se praticamos o mal sofremos com os resultados desfavorveis que advm de nossas aes. Bem, neste sentido, o que traz felicidade ao prximo, mal o que traz infelicidade. Em resumo, o nosso hoje resultado do nosso ontem e o nosso amanh depende do que fizermos hoje.

Existe o "Karma" individual e o coletivo. Agrupamentos sociais recebem o retorno de suas aes da mesma forma que os indivduos. Vivemos em um mundo de relaes e somos assim interdependentes. Se uma pessoa sofre "hoje" por seu "karma" e somos colocados em situao de poder ajud-la isto - em um caso muito comum - significa que de alguma forma contribumos para a sua situao atual e nossa obrigao ajud-la a sair dela ou a minimizar suas dores. Os filsofos hindus tem at uma palavra para isso, Dharma, que pode ser traduzida por "dever". Cada pessoa em face de suas aes passadas contabiliza um certo "karma" que se reflete em sua situao presente e um "dharma" que corresponde ao melhor aproveitamento que pode ter delas.

Entenda que o "karma" - no sentido da colheita das aes passadas - no necessariamente negativo. Uma pessoa, em virtude de seus esforos em direo ao bem, colhe em retorno paz de esprito e situaes de felicidade cada vez maior.

A interpretao esprita no muito diferente, e assim, ns, espritas ajudamos as pessoas carentes porque acreditamos ser nossa obrigao ajudar na construo de um mundo melhor, onde o ensinamento de Jesus de "amar a Deus sobre todas as coisas e ao prximo como a si mesmo", seja efetivamente praticado.

Isto basicamente o que Jesus ensinou quando disse que "a cada um segundo suas obras" e que tambm pouco valia ficar clamando "Jesus, Jesus ..." e no seguir suas orientaes.

Eu pessoalmente no conheo as estatsticas sobre as mudanas de filiao religiosa, que na realidade no importam muito. O principal que cada pessoa siga a religio que mais se afine com o seu modo de ser e que a pratique com toda sinceridade, pois todas as religies so caminhos diferentes que levam ao mesmo destino: Deus.

Naturalmente a afirmativa de que evanglicos no viram espritas no exata, conheo alguns que fizeram esta transio, da mesma forma que conheo os que fizeram o caminho inverso ;-)

Muita Paz,
Carlos Iglesia

Artigos Relacionados:
A misso do brasil como ptria do evangelho. -VIII (5931 Acessos)
CONSIDERAES FINAIS. Diante do exposto, a que concluso chegamos? Somos o Corao do Mundo, Ptria do Evangelho? Ou no somos? ...
A misso do brasil como ptria do evangelho. - VII (5065 Acessos)
FEDERAO ESPIRITA BRASILEIRA O Brasil j contava com vrias sociedades espritas prestigiosas, mas contrariando as instrues do plano...
A misso do brasil como ptria do evangelho. - VI (3734 Acessos)
O SCULO XIX. O sculo XIX, entre outros acontecimentos, nos trouxe o Consolador prometido por Jesus. Faamos aqui um parntese, a fim de...
A misso do brasil como ptria do evangelho. - V (3750 Acessos)
O MOVIMENTO ABOLICIONISTA Em todas as outras naes do continente americano, a escravido j havia sido abolida. S ns os brasileiros...
A misso do brasil como ptria do evangelho. - IV (3207 Acessos)
INCONFIDNCIA MINEIRA Estamos no reinado de D. Maria I, a Piedosa, a qual, escravizada ao seu fanatismo religioso e s opinies dos seus...


Adicione este artigo nas suas redes sociais!
 

Seja Bem Vindo!