1

Para Refletir...

"A calma na luta sempre um sinal de fora e de confiana, a violncia, ao contrrio, uma prova de fraqueza e dvida de si mesmo." - Evangelho Segundo o Espiritismo

 
Erro
  • XML Parsing Error at 1:102. Error 9: Invalid character
Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 
Índice do Artigo
Patrono do Centro
Página 2
Página 3
Página 4
Página 5
Página 6
Página 7
Página 8
Todas as Páginas

Perspicaz, culto, Mattos fora escolhido para presidir por causa de sua prtica de assembleas, era vereador, presidente da Associao de Agricultores e j, muitas vezes, defendera rus na tribuna do juri (que na poca era permitido a no formados em direito), mas sobretudo por ser o farmacutico, profisso que distingue a personagem multifacetado de grande atuao e muito respeitado nas antigas vilas.

Apresentados os gladiadores, sorridentes, amveis, via-se contudo a assustadora tenso da assistncia. No se misturaram catlicos e espritas, separaram-se, embora o salo comportasse apertadamente e o todo estivesse aglutinado.

Corria no ar um zumzum resmungado, quase rosnante de mau prenuncio que s cessou quando tomou a palavra o padre. Ouviu-se uma magnfica pea oratria. Falou mais a Maurcio de Lacerda que a Vieira. Aps os cumprimentos s personagens presentes, especialmente s damas, tomou o fio da meada com Ado e Eva: Inmeras foram as citaes a partir da era de Cristo, nos 1900 anos da igreja. Atacou de rijo as manifestaes espritas chamando as de farsas e auto sugesto. Chamou a depor todos os apstolos e os grandes filsofos da igreja. A Companhia de Jesus (sem a Inquisio) esteve dessa vez no banco das testemunhas.

Especialmente bombardeou a reincarnao mostrando com argumentos irretoquveis que aps a morte a alma no tem outra opo seno o inferno, o purgatrio e para poucos bem aventurados, o cu.

Foi mordaz, satrico, apostrofando aqueles que no lhe fizessem o catecismo. Falou uma hora e meia olhando de vem em quando para o Padre Joo que com gestos animava os aplausos da assistncia nas passagens mais vigorosamente arrazoadas do discurso.

Padre Joo, os olhos encadeados no Holandes no dava conta de que seu exemplo de vida desprendida e incanvel energia para o trabalho, representava alicerce maior para a Igreja que a eloquente elegncia do orador, a reunir fiis. A metade da assistncia saudou de p as ltimas palavras de cura, enquanto a outra metade se abstinha.

Todos suavam, o padre j bebera cerca de dez copos de gua quando foi dada a palavra ao professor Leopoldo que se levantou e por ser pequena estatura f-lo sobre um banquete para ficar mais alto.

No tirou o cachecol e estava um pouco rouco. Recusou o copo de gua que lhe foi oferecido, correu os olhos pela assistncia, fez poucas saudaes e aps um "meus irmos" produziu uma belssima orao.

Embora rouco se expressava com nitidez, o sotaque baiano, acentuado e abrindo as vogais, permitia-lhe ser bem ouvido e melhor entendido. Suas citaes antecederam ao nascimento de cristo pelo menos trs mil anos. As religies dos Sesmerianos, Babilnicos, Cretenses, Persas, Egpcios, Gregos, desfilaram. A Tora dos judeus, o velho testamento foi citado longamente com Abrao, No, Moiss e todos os seus profetas. Os essenios e (ainda no se tinha notcia dos papirus do mar morto) testemunharam. Do novo testamento extraiu abundante comprovao para a existncia do esprito e da reincarnao.

Se Cristo perdeu suas atribuies divinas ganhou porm as glrias do esprito de maior luz do planeta. No poupou a Igreja por suas lutas polticas para obter e manter pompas e proveitos materiais. A seguir mudou-se para o terreno da lgica e da matemtica e provou aritmeticamente que a reincarnao no s individual mas, tambm coletiva, em massa.

Estornou o verbo para a rea cientfica e l vieram Lavoisier, Laplace, Crooks e - finalmente Eistein depor perante a extasiada assistncia as verdades do espiritismo. Nada ficou devendo ao padre, at superou-o pela graa da linguagem escorreita. Na verdade falou muito mais em menos tempo, usando da palavra apenas por uma hora.

Quando chegou ao "tenho dito" foi delirantemente aplaudido por aqueles que no bateram palmas para o sacerdote. Sentia-se na assemblia, desde logo, que fora brilhante o entrevero e que tivera a virtude de tornara os catlicos mais catlicos e os espritas mais espritas. Converses, parece no houvera alguma.

Apesar do adentrado da hora o padre levantou-se para a rplica, que j era esperada, porque nessa poca, a assistncia da vila, sempre a mesma para tudo, estava habituada s sesses do Juri que duravam (falando a defesa e a acusao quantas vezes quisessem), trs, quatro e mais horas, sem interrupo. A rplica do padre, porm, foi curta, forte, incisiva, quando disse:

- Meu caro professor, ns os catlicos nos convertemos sua dita verdade se o senhor fizer se materializar, aqui, agora, um esprito.

De imediato, Leopoldo se levantou e a trplica foi lanada:

- Senhor padre, primeiro o senhor, ns os espritas que nos converteremos, se vossa reverncia fizer, aqui, agora, um milagre.

A assistncia, sob calor e tenso emocional pareceu explodir, tumultos comearam, quando o presidente, hbil e ligeiro deu a reunio por encerrada e algum diretor do clube mais interessado na integridade das cadeiras desligou o relgio da luz.



Seja Bem Vindo!