1

Para Refletir...

"A alegria est na luta, na tentativa, no sofrimento envolvido. No na vitria propriamente dita." Mahatma Gandhi

 
Erro
  • XML Parsing Error at 1:102. Error 9: Invalid character

PDFImprimirE-mail
Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 

Pontos a ponderar luz da Doutrina Esprita, contando tambm com as questes emocionais fundamentada nos conhecimentos que podem nos oferecer a Psicologia enquanto Cincia do Comportamento.

Que tal pensar num casamento que acaba como um ciclo de experincias que foi concludo?

A figura que melhor define a evoluo das experincias humanas a tradicional espiral crescente. As experincias de uma vida representam um momento na eternidade. Sero retomadas outras vezes, em circunstncias e tempos diferentes. Todavia, ns Espritos, deixamos pendncias ao longo das trajetrias. Esse fato que complica as coisas.  Numa relao verdadeira de amor, o mais importante seria a vida a dois e no com quem deveramos viv-la. O casamento no , necessariamente, uma relao de amor. Trata-se mais de associao ou encontro. No foi Vincius de Moraes que disse “a vida arte do encontro, embora haja tantos desencontros pela vida?”. Esses encontros podem ser bons ou no, complexos ou mais simples. Associar-se nesta vida pode permitir o crescimento e aperfeioamento de cada um e importa no repetir histrias passadas. bem verdade que um casamento pode aprisionar pessoas, mas esta experincia deve ser, para ambos, uma vivncia libertadora. Cada um traz, ao casar-se, a sua histria pessoal e iniciam a convivncia. O fato de se unirem em casamento no anula as experincias pessoais que j possuem. Eles vo procurar conciliar histrias atravs da aproximao e intimidade permitida pelo casamento. Ser um exerccio, muito menos romntico e mais prtico. Os casamentos, no devem causar perda de identidade. Quando a mulher passa a ser a “mulher de Joo” e o Joo passa a ser “o marido de Maria”, ambos podem estar abdicando de suas personalidades.

Evoluir requer tempo. Em nenhum ponto da Doutrina dos Espritos existe a idia de apressar a marcha evolutiva de cada Esprito. Pelo contrrio, a Doutrina no nos cobra nem impe prazos. Estamos sendo influenciados pela mudana de valores que vivemos na atualidade. Tambm pesa sobre a nossa compreenso atual, os valores de que casar-se ou estar casado, no tem mais um carter indissolvel da relao entre duas pessoas. Precisamos rever as idias que, muitas vezes, podem nos oprimir, impondo vida em comum a quem no possui afinidades que pensavam possuir. Ou foram perdidas ou enfraqueceram ao longo da convivncia e se desgastaram com o tempo. Impor conselhos, sugestes ou fazer anlises, supostamente piedosas, para induzir sua continuidade a todo custo, pr julgar, condenar duas pessoas a viverem juntas. Isso no verdade e no encontra suporte na Doutrina dos Espritos que pressupe o livre arbtrio e a responsabilidade proporcional decorrente dos atos de cada um. No se trata de ltima chance de suas vidas como Espritos, uma vez que no se limitam s experincias deste plano.

muito comum as pessoas e mesmo a orientao de Casas Espritas ficarem presas a valores como “sagrada famlia”, “instituio divina”, “sagrados laos”, “laos eternos”, e assim por diante, quando estamos falando de ajustes em meio a dificuldades, ainda acrescidas, geralmente, da educao de filhos, causando conflitos e conturbando o carter divino da instituio familiar. Bem nos lembra Kardec que, muitos valores e regras, transformam-se ao longo do tempo, podendo mesmo “depender dos costumes e dos usos. Cada pas e cada sculo tem a respeito uma maneira diferente de ver.” preciso, antes de mais nada, o casal reconhecer as suas condies pessoais e disposies individuais produzindo tenacidade, dedicao e esforos para construrem um projeto comum, se assim o desejarem. bem verdade que, em virtude da flexibilizao das regras legais para o casamento, parece que as pessoas no se dispem mais a serem persistentes ou quererem de forma mais intensa, fazerem suas relaes darem certo. Talvez muitos nem encarem o casamento como a proposta de um projeto comum de construo. Muito menos de uma tarefa, ou um conjunto de tarefas, para serem desenvolvidos sob uma dupla responsabilidade. por isso que muitos casamentos vo muito bem enquanto empresa, conseguem adquirir bens, pagar suas dvidas, fazer o patrimnio crescer e se multiplicar,  mas vo falncia emocionalmente falando. A empresa vai muito bem, mas a relao vai muito mal. 

O meu casamento acabou. Parte dois: o retorno

O problema no que o casamento acaba. A questo que o vnculo continua atravs da memria vivencial das pessoas. De frente para as provas, podemos at abdicar delas. O que ser futuro e “o futuro a Deus pertence”. A trajetria evolutiva de cada Esprito trar o dia de amanh como ele dever ser, assim como ensina o Cristo nos evangelhos: o dia de amanh vir com os seus prprios cuidados. Um documento legal por fora de leis humanas, no pode representar o fim ou a continuidade de experincias evolutivas de duas pessoas! Atualmente, as relaes consensuais, especialmente entre os jovens, crescem em proporo maior do que as relaes formais. Isto significa que as relaes no dependem de um contrato assinado. Estamos falando de no tomar o casamento firmado no Cartrio Civil como documento que legitime a relao de amor e afeto entre duas pessoas. A m interpretao da Doutrina dos Espritos, que pode distorcer o discernimento. Sofrvel ser ouvir que uma unio no pode ser desfeita, pois vai gerar novas dvidas dando origem a novas provas em encarnaes futuras! Isto usar o medo e a culpa como idias educativas.

Depois da separao do casal, os “resgates” pessoais no continuam para cada um? 

Ingnuo pensar que os resgates so interrompidos quando o casamento acaba ou sofre interrupo. Porque medir uma experincia de evoluo dos espritos pela mtrica de regras humanas? As experincias que um casal viveu enquanto durou o casamento, passa a compor a histria de ambos, que foi e que ainda ser perturbada muitas vezes pelos cimes, por pensarem que um propriedade do outro. Os filhos, se houverem, as lembranas e as experincias de tudo que foi vivido,  o cotidiano que trouxe uma profunda intimidade entre ambos,  a memria de tantos detalhes dos quais nunca mais os ex-casados vo conseguir esquecer, os bens em comum que geraram sentimentos de posse e apego, transformados em causas de desentendimentos, incompreenses, mendicncias de amizade e de afetos deteriorados, discusses e demandas, querelas de toda ordem, cantadas poeticamente por Chico Buarque“...trocando em midos pode guardar as sobras de tudo que chama um lar, as sombras de tudo que fomos ns, (...) devolva o Neruda que voc me tomou e nunca leu (...)”. Sentimentos de saudades, memria passada de dios e desafetos, lembranas imortais de amores que ficaram registrados numa espcie de livro de conta corrente transformados em dbitos e crditos de ambos, iro, no mais das vezes, tornar muito maior as dvidas de um para com o outro, fazendo-os credores endividados at o pescoo, dvidas essas que jamais podero ser quitadas. assim que um casal acabar perdendo-se em pendncias emocionais e sentimentais esquecidas no tempo. Talvez no se casem nunca mais, mesmo em outras existncias, mas os aprendizados e a evoluo, o aprimoramento de cada um continua de maneira inexorvel pela caminhada evolutiva que no depende do tempo cronolgico.

O aprimoramento individual dos Espritos segundo a histria de cada um. No existem histrias atreladas de modo que, se um estagnar na sua evoluo, ento o outro tambm ficar retido. O progresso individual. Mesmo que algum acuse algum de estar dificultando ou impedindo o seu progresso, no ser a maneira de acionar o outro para que progrida tambm, assim como culpar algum por algo que nos acontece no nos redime da responsabilidade pela nossa prpria evoluo. A expresso popular de que duas pessoas que vivem juntas no nasceram grudadas, aplica-se totalmente a esta compreenso.

 

Ver questo 697 do Livro dos Espritos sobre a indissolubilidade absoluta do casamento.

Idem nota nº 1.

 

Ler Captulo 12 do livro “Pensamento e Vida” psicografado por Chico Xavier e ditado por Emmanuel.

A questo 759-a do Livro dos Espritos, trata do orgulho e da vaidade nas situaes de duelo existentes na poca que a Doutrina foi codificada. No entanto, julgamos que a resposta dos Espritos dada a essa questo, bem pode nos servir para reiterar o fato de que, os costumes mudam com o tempo e as regies onde existem.

Consultar o evangelho segundo Matheus, 6:34. Dependendo da verso ou traduo, ocorrero pequenas alteraes nos termos, mas o sentido o mesmo de que cada dia j contm as suas prprias aflies ou seus cuidados. 

“Trocando em midos”, msica composta por Chico Buarque de Holanda.

 

 

 

 

Artigos Relacionados:
A misso do brasil como ptria do evangelho. -VIII (5931 Acessos)
CONSIDERAES FINAIS. Diante do exposto, a que concluso chegamos? Somos o Corao do Mundo, Ptria do Evangelho? Ou no somos? ...
A misso do brasil como ptria do evangelho. - VII (5065 Acessos)
FEDERAO ESPIRITA BRASILEIRA O Brasil j contava com vrias sociedades espritas prestigiosas, mas contrariando as instrues do plano...
A misso do brasil como ptria do evangelho. - VI (3734 Acessos)
O SCULO XIX. O sculo XIX, entre outros acontecimentos, nos trouxe o Consolador prometido por Jesus. Faamos aqui um parntese, a fim de...
A misso do brasil como ptria do evangelho. - V (3750 Acessos)
O MOVIMENTO ABOLICIONISTA Em todas as outras naes do continente americano, a escravido j havia sido abolida. S ns os brasileiros...
A misso do brasil como ptria do evangelho. - IV (3207 Acessos)
INCONFIDNCIA MINEIRA Estamos no reinado de D. Maria I, a Piedosa, a qual, escravizada ao seu fanatismo religioso e s opinies dos seus...


Adicione este artigo nas suas redes sociais!
 

Seja Bem Vindo!